SES Promove I Webinário Sobre Sífilis e Sífilis Congênita

postado em: Destaque 2, Notícias | 0

Debater os problemas da Sífilis e sua prevenção foi o objetivo do I webinário realizado pela gerência do Programa IST/Aids da Secretaria de Estado da Saúde (SES), nesta quinta-feira, 15.  Momento contou com a condução d gerente do  programa, Almir Santana, que convidou  diretor de Vigilância em Saúde, o Infectologista Marco Aurélio Góes, e contou com a participação de uma representante do Ministério da Saúde, a ginecologista e obstetra Angélica Espinosa Miranda, que ministrou a palestra direcionada aos profissionais da atenção primária dos municípios. O dia Nacional de Combate à Sífilis e à Sífilis Congênita é lembrado neste sábado, 17.

O trabalho desses profissionais é imprescindível para a diminuição no número de casos e diagnóstico das doenças. “Os enfermeiros, os médicos e os agentes de saúde estão na linha de frente desse trabalho. Eles estão junto às comunidades diariamente e é preciso que eles estejam atualizados para que possam aprender a diagnosticar e instruir essas pessoas para a prevenção”, disse Almir Santana.

Para o diretor de Vigilância em Saúde, o Infectologista Marco Aurélio Góes, esses eventos ocorrem à distância por causa da pandemia, o ano foi atípico, mas as campanhas não podem deixar de serem realizadas. “Orientamos os profissionais sobre as formas de diagnóstico além de como trabalhar com mais qualidade nas ações educativas junto à comunidade, principalmente os mais vulneráveis. Além da prevenção à Sífilis, a campanha também aproveita para divulgar a acessibilidade aos testes rápidos em locais mais próximos do usuário na rede pública de saúde”, ressaltou.

“A sífilis é uma doença causada por uma bactéria e pode se manifestar em três estágios. Nos dois primeiros estágios iniciais da doença os sintomas são mais evidentes. No último estágio, a doença tende a ser mais silenciosa, por isso têm-se a impressão de cura da doença. Os principais sintomas são pequenas feridas nos órgãos sexuais e ínguas na região da virilha. Estes sintomas costumam aparecer entre 7 e 20 dias após o sexo sem proteção. A sífilis pode ser transmitida através do sexo sem camisinha ou da mãe infectada para o bebê durante o parto. Todas as gestantes devem fazer o teste da doença durante o primeiro pré-natal, aos nove meses e no momento do parto”, concluiu Almir Santana.