Secretário fala sobre coronavírus, co-gestão do Samu e acolhimento no Huse em entrevista

postado em: Destaque 2, Notícias | 0

Na tarde desta quarta-feira, 4, em entrevista ao programa Balanço Geral da Rádio Jornal, comandado pelo radialista Jason Neto, o secretário de Estado da Saúde, Valberto de Oliveira, falou sobre ações que a gestão estadual vem desenvolvendo para melhorar a assistência aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), em Sergipe. Entre eles, o enfrentamento ao novo coronavírus (Covid-19), a co-gestão do Samu, a implantação do acolhimento no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse) e o destino da Maternidade Hildete Falcão Baptista.

Sobre o Covid-19, Valberto de Oliveira elencou as ações de controle ao novo vírus, destacando entre elas a implantação do Plano de Contingência, as reuniões segmentadas que vem realizando com secretários de Saúde e de Educação, representantes da rede hospitalar pública e privada, técnicos municipais de Epidemiologia e Atenção Básica e a mais recente, com representantes do setor turístico, quando propôs parceria para a disseminação de informações verídicas sobre o Covid-19.

Questionado sobre a proposta de co-gestão do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), o secretário assegurou que nenhuma decisão foi movida por paixão ou emoção. “A gente precisava criar uma linha racional de acompanhamento dos casos, especialmente os mais graves porque com frequência nos deparávamos com ambulâncias do Samu que não sabiam onde deixar o paciente. Ia para um hospital , que não o recebia, ia a outro, acontecia o mesmo. Precisávamos qualificar a assistência ao paciente e dar essa função à Central de Regulação de Urgência (CRU), órgão que durante muitos e muitos anos esteve vinculado às decisões do Samu”, explicou Valberto de Oliveira.

O secretário ainda expôs uma segunda razão para a co-gestão. Segundo ele, separar a CRU do Samu foi uma sugestão dada a título experimental, motivada pelo fato de pacientes ficarem em áreas vermelhas de hospitais que tinham uma escala sofrida. “Como é que eu quero que o usuário que chega ao Pronto Socorro seja bem atendido se a Central de Regulação, se o Samu, não tinham condição de ter um olhar seletivo para essas situações? Então só tivemos uma forma: puxar a gestão dos casos críticos exclusivamente para a CRU”, informou.

Maternidade

Quanto ao destino da Maternidade Hildete Falcão, Valberto informou que a unidade é objeto de desejo da Universidade Tiradentes (Unit), que pretende instalar ali uma central de atendimento para ofertar assistência em saúde à comunidade sergipana. No entanto, o secretário revelou que tem outras ideias sobre as quais não pode falar ainda já que a matéria está em discussão interna.

Valberto de Oliveira também falou sobre a liberação pelo Tribunal de Contas da realização do Processo Seletivo Simplificado (PSS) da Secretaria de Estado da Saúde (SES). Adiantou que tão logo seja feito o estudo de impacto financeiro, o edital será publicado. O PSS vem preencher escalas médicas e de enfermeiros de unidades da Rede Estadual de Saúde e suprir deficiências de profissionais em outras áreas.

Acolhimento

Iniciativa do próprio secretário, a implantação do acolhimento no Hospital de Urgência de Sergipe deve se tornar uma realidade muito em breve, já que as obras de reforma que lhe darão a condição estrutural estão avançadas. De acordo com o propósito do secretário, o acolhimento vai permitir que o paciente de alta complexidade tenha o atendimento que o caro requer e merece.

“Temos estatísticas de que cerca de 93% dos pacientes que chegam ao Pronto Socorro do Huse são de baixa complexidade, ou seja, deveriam ser atendidos em Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) ou na Atenção Primária. O que faremos? Todo paciente que chegar ao Huse será atendido. Se vai com coisa simples, será acolhido na entrada da Área Azul e notificado de que seu atendimento pode demorar e demorar bastante. Depois de Atendido, será medicado e encaminhado ao posto de saúde. Não queremos que ninguém volte sem assistência, mas a gente quer que aquela pessoa de caso clínico grave tenha um atendimento de excelência”, finalizou.