Secretário Almeida Lima visita obras do bunker do Huse e pede celeridade

postado em: Notícias | 28

Por Katiane Menezes

Fotos: Katiane Menezes

“Essa obra não pode atrasar. As coisas devem ficar conjugadas umas com as outras de forma fluente e célere. Essa é uma preocupação muito grande. Não sou da área. Sou advogado. Sou humanista e quero resolver o quanto antes possível. Senti um pouco a dor alheia”.

Essa foi a declaração do secretário de Estado da Saúde, Almeida Lima, durante visita à obra que abrigará o segundo acelerador linear do Centro de Oncologia do Hospital de Urgências de Sergipe (Huse). O local específico já está com 75% da obra avançada e obedecendo a um cronograma estabelecido e que, em breve, avançará a assistência oncológica aos usuários do SUS que necessitam do tratamento.

O gestor foi recebido pela superintendente do Huse, Lycia Diniz, que estava acompanhada pela equipe técnica do hospital, da SES, além dos engenheiros da obra. A superintendente ressaltou a importância da visita e dos avanços que a obra já apresenta.

“A visita do secretário à obra é importantíssima para nos dar segurança. A construção do bunker está caminhando corretamente e que os prazos serão cumpridos. Estamos aguardando a base que deve chegar até o dia 15 de fevereiro”, explicou.

O engenheiro Jorge Teles, da empresa NHA (que gerencia e fiscaliza a construção do bunker), detalhou para o secretário todo o andamento da obra.

“Mostramos tudo o que já foi realizado até o momento. Dentro de pouco tempo, o bunker estará 100% concluído”, ressaltou.

A obra segue com a cronologia mais adiantada, como explica o engenheiro Vilmar Azevedo, da empresa Contenge.

“Já estamos vendo a questão das interligações para que o hospital não sofra nenhum impacto com essa nova demanda”, pontua.

O novo bunker do Huse integra o Plano Nacional de Expansão da Radioterapia no SUS, do Ministério da Saúde. A construção é muito complexa e de grande magnitude. A espessura das paredes é de 1,25 m a 2,10 m, oferecendo toda proteção radiológica exigida para garantir segurança aos pacientes e profissionais que futuramente atuarão no serviço.