Secretaria da Saúde renova convênio com o Hospital Chama para fortalecer o tratamento oncológico aos sergipanos

postado em: Notícias | 28

Por Luiza Sampaio

Fotos: Acácia Mérici

O convênio entre a Secretaria de Estado da Saúde (SES), através da Fundação Hospitalar (FHS), com o Complexo Hospitalar Manoel André, o Hospital Chama, localizado na cidade alagoana de Arapiraca, foi renovado. Com isso, a assistência ao paciente oncológico sergipano para a realização da radioterapia na unidade, através do serviço de Tratamento Fora do Domicílio (TFD), continuará ocorrendo assim como foi feito durante todo o ano de 2016.

Até agora, cerca de 200 pessoas já foram concluíram o tratamento no hospital. “Com a renovação do convênio, atenderemos toda a demanda que o Estado necessitar. A expectativa é que, em 2017, consigamos zerar a fila de espera em Sergipe, recebendo um número de pessoas ainda maior que no último ano”, ressalta a administrador geral da unidade alagoana, Edmilson Rodrigues.

O novo contrato foi ampliado e oferecerá, também, a Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT), método que é focado exatamente no ponto do organismo que será irradiado, preservando as outras áreas ao redor. “Assim, as sequelas também são reduzidas e a qualidade de vida do paciente melhora significativamente”, esclarece o representante do Hospital Chama.

É importante lembrar que todos os pacientes que serão tratados no Complexo Hospitalar Manoel André passam por um atendimento prévio, ainda em Aracaju. Os radioterapeutas da unidade alagoana realizam exames e, só depois, definem qual o tratamento será indicado: se é a radioterapia 3D ou, agora, a IMRT.

Para o secretário de Estado da Saúde, Almeida Lima, o convênio com Chama foi importante para atender uma demanda que ainda não pode ser suprida apenas pela Rede Estadual de Sergipe.

“Temos uma série de tratamentos e exames fora do domicílio. Arapiraca, por estar a menos de 400 quilômetros de Aracaju, através do Hospital Chama, foi contratada há um ano para a prestação desse serviço de radioterapia. Um contrato que deu certo e que tem acolhido muito bem os pacientes encaminhados por Sergipe. Entendemos que deveríamos fazer a renovação do contrato para que não haja descontinuidade na prestação do serviço. É uma rede abrangente que precisamos para que haja efetividade no tratamento oncológico”, afirma Almeida Lima.

Ainda de acordo com o gestor Estadual da Saúde, “essa parceria faz a diferença para esses pacientes não fiquem desassistidos. Estamos trabalhando para que, dentro de um espaço de tempo razoável, a estrutura do Estado esteja compatível com a nossa demanda”.