Saúde debate construção e fortalecimento de Políticas Públicas de Equidade

postado em: Destaque 2, Notícias | 0
Por Acácia Mérici
Politicas publicas SES (3)Representantes de movimentos sociais e de religiões de matriz africana reuniram-se na manhã desta quinta-feira, 04, com gestores da Secretaria de Estado da Saúde (SES) para debater a construção do Plano Estadual de Saúde da População Negra e o fortalecimento de Políticas Públicas de Equidade.

Durante a reunião, os líderes demonstraram o desejo de resgatar o Termo de Compromisso de Assistência à População Negra, assinado há aproximadamente 7 anos pela SES com as entidades.

“Queremos andar de mãos dadas com o Estado. Debatemos a saúde da população negra e a gestão mostrou-se firme no desenvolvimento dos projetos para termos uma sociedade mais igualitária. Sergipe tem tido sensibilidade de discutir e viabilizar Políticas Públicas que alcancem esse público. Vamos resgatar esse termo e colocar em pauta. O primeiro passo já foi dado”, comemora Eudes Carvalho, coordenador de Direitos Humanos da Secretaria de Estado da Mulher, Inclusão, Assistência Social, do Trabalho e dos Direitos Humanos (Seidh).

Para o profissional de saúde e babalorixá Janilson Teixeira, da Associação Luz do Oriente, a gestão da SES mostrou sensibilidade para o fortalecimento das Políticas de acesso.

“A reunião foi muito importante para ampliar o canal de abertura da secretaria à causa do movimento e às pessoas. O mais importante foi a certeza que teremos o resgate desse documento e que a gestão dará o encaminhamento necessário. Acredito nas ações integradas, de modo que a saúde e a educação devem andar sempre juntos. Atrelado à isso existe a cidadania. O processo natural é o desdobramento do conhecer: a SES abrindo portas e os grupos trazendo ideias. Não basta só cobrar. Temos que propor e unir forças para fortificar o elo da corrente, dialogando de forma fraterna e enriquecedora”, pontua Janilson Teixeira.

Durante o encontro, o diretor de Atenção Integral à Saúde da SES, João Lima Júnior, explicou que já tem implantado um Comitê Estadual de Promoção da Equidade e Educação Popular em Saúde,  um grupo técnico que atua na aplicação de ações de assistência à saúde de grupos considerados vulneráveis como população negra, trabalhadores rurais, LGBT, grupos de matriz africanas, pessoas em situação de rua, população indígena, entre outros.

“O Comitê tem a função de monitorar políticas de equidade em relação aos cuidados com a saúde. Queremos retomá-lo para dialogar com todos os grupos e ampliar as ações já planejadas. O Comitê é um espaço amplo de articulação junto com os Direitos Humanos”, ressalta João Lima Júnior.

Para a secretária de Estado da Saúde, Conceição Mendonça, a política da Inclusão e do fortalecimento do acesso aos direitos de saúde devem andar sempre de braços dados.

“Somos indutores de Políticas Públicas e o SUS é universal. É para todos. Os movimentos sociais precisam ter vozes fortalecidas dentro dos Conselhos de Saúde tanto Municipais quando o Estadual. Precisamos ampliar os espaços para ouvir as necessidades e os anseios. A SES tem um espaço importante para fomentar e colocar as ações em prática. É um direito de todos buscar e ter a qualidade de vida. Vamos resgatar o Termo de Compromisso de Assistência à População Negra, analisar os protocolos e dar os encaminhamentos necessários. Assim, mobilizaremos as áreas técnicas para apoiar”, destaca Conceição Mendonça.