Roda de conversa trata do uso de preservativos entre trabalhadores em Barra dos Coqueiros

postado em: Destaque 2, Notícias | 0

Tendo em vista um dado nacional que revela máximo de 50% da população brasileira adepta ao uso de preservativos durante relações sexuais ocasionais, o médico sanitarista e gerente do Programa IST/Aids, da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Almir Santana, promoveu mais uma roda de conversa sobre a questão. Desta vez o público contemplado foi composto por trabalhadores que atuam na ampliação da estação de tratamento de esgoto, no município de Barra dos Coqueiros. Quase 100 profissionais participaram da ação sensibilizadora.

“É muito difícil reunir um aglomerado de homens para tratar de um assunto dessa natureza, daí a importância de promover ações como essa, que estimula no próprio ambiente de trabalho, no caso em um canteiro de obras, o diálogo com esclarecimentos necessários sobre prevenção às infecções sexualmente transmissíveis [ISTs]”, considerou Almir Santana.

 As abordagens sobre Aids, sífilis e Hepatites B e C fizeram parte dos esclarecimentos, a fim de instigar nos profissionais a adesão aos testes rápidos para diagnóstico dessas doenças. “O uso de preservativos é extremamente eficaz para evitar essas enfermidades. Acompanhando os dados nacionais que ainda destacam, no Brasil, apenas 10% da população adepta a esses recursos quando há relação sexual com parceiro fixo, identificamos na roda de conversa apenas seis trabalhadores ditos usuários de camisinha”, revelou o médico.

O gerente do Programa IST/Aids afirma que as evidências sobre o uso de preservativos nas relações sexuais são preocupantes, em Sergipe. Ele enfatiza a importância der as Equipes de Saúde da Família estarem presentes em locais estratégicos, a exemplo desses canteiros de obras, para a maior fluência do trabalho sensibilizador, a fim de conscientizar cidadãos para a prevenção às ISTs. “Essas equipes devem, inclusive, disponibilizar esses preservativos em locais estratégicos, atentando ainda para a relevante execução dos testes rápidos que diagnosticam AIDS, sífilis e Hepatites B e C”, concluiu Almir.