NOTA TÉCNICA Nº 02/2016 – SES sobre INFLUENZA A H1N1

postado em: Destaque 3, Notícias | 0

INFLUENZA

-É uma doença febril, aguda, geralmente benigna e autolimitada. Os sinais e sintomas predominantes são sistêmicos como febre, calafrio, tremores, cefaleia (dor de cabeça, mialgia e sintomas respiratórios como tosse seca, dor de garganta e coriza);

-Transmissão: acontece por gotículas respiratórias e transmissão indireta;

-Período de Transmissão: um dia antes até 3-5 dias depois do início dos sintomas ou 24h depois da febre nos adultos, crianças e pacientes imunossuprimidos podem excretar o vírus por mais tempo, em média 7-14 dias;

-Grupos e fatores de risco para complicações;

 Grupos de risco:

-Criança < 2 anos;

-Adultos > 60 anos

-Grávida em qualquer idade gestacional, puérperas até duas semanas após o parto (incluindo os que tiveram aborto ou perda fetal)

Fatores de risco:

-Indivíduos com doenças crônicas:

  • Pneumatopatias (incluindo asma);
  • Cardiovasculopatias (excluindo hipertensão arterial);
  • Nefropatia;
  • Hepatopita;
  • Doença hematológica;
  • Distúrbios metabólicos;
  • Distúrbios neurológicos que podem comprometer a função (transtornos) respiratória ou aumentar o risco de aspiração (disfunção cognitiva lesões medulares, epilepsia, paralisia cerebral, síndrome de down, atraso de desenvolvimento, AVC ou doenças neuromusculares);
  • Imunossupressão (incluindo HIV);
  • Obesidade mórbida;

 

Seu agente etiológico é um vírus RNA, da família ortomixavírus, subdividido em três tipos: A, B e C;

A influenza A é vírus respiratório e principal causador da gripe. É originário de aves aquáticas, onde infecta o sistema digestivo e normalmente não causa sintomas. Ele é um vírus de RNA com 8 genes envoltos. Isso é agravado pela capacidade que o vírus tem de misturar seus genes com genes de origem suína e aviária, eventos que algumas vezes deram origem às pandemias graves;

Medidas que evitam a transmissão da Influenza e outras doenças respiratórias:

-Frequente lavagem e higienização das mãos, principalmente antes de consumir algum alimento;

-Utilizar lenço descartável para higiene nasal;

-Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;

-Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;

-Higienizar as mãos após tossir ou espirrar;

-Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;

-Manter os ambientes bem ventilados;

– Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de gripe;

-Evitar sair de casa em período de transmissão da doença até 5 dias após início dos sintomas;

-Evitar aglomerações e ambientes fechados (procurar manter os ambientes ventilados);

-Adotar hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquido;

Tratamento da Gripe:

-Síndrome Gripal – tosse, dor de garganta, febre, mesmo que referida r com início dos sintomas nos últimos 7 dias;

-Síndrome Respiratória Aguda Grave – indivíduo hospitalizado, com febre, mesmo que referida, acompanhada de tosse ou dor de garganta e que apresenta dispneia;

-Iniciar o tratamento com antiviral tamiflu para: todos os pacientes com SRAG (síndrome respiratória aguda grave) e os pacientes com síndrome gripal que apresentem fatores de risco e que pertencem ao grupo de risco acima citado, de preferência nas primeiras 48h do início dos sintomas;

 

SITUAÇÃO DE SERGIPE

– No momento existem 3 casos de Influenza H1N1 confirmados em que o vírus Influenza A, mais severo, leva complicações até à óbito;

– Os 3 casos evoluíram para cura, com história de contaminação fora do estado e do país, não existindo nenhum caso de contaminação no próprio estado de Sergipe;

  1. Contato de viagem para Salvador e Maceió, retornando para Sergipe com sintomas;
  2. Família que retornou da Disney com sintomas, sendo que apenas um membro da família realizou a coleta;
  3. Em investigação pela vigilância de Aracaju;

-Os exames realizados para detecção da Influenza H1N1 são por meio de imunofluorescência realizado no LACEN -SE e PCR em tempo real que é feito na referência da Fiocruz -RJ;

Critérios para envio das amostras para realização do PCR

-Todas as amostras positivas;

-10% negativas;

-Todas inconclusivas;

-Todos os casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG);

 

O medicamento utilizado para o tratamento é o fosfato de Oseltamivir que se apresenta 75 mg para pessoas acima de 45 kg, 45 mg para as de 15-45 kg e 30 mg para abaixo de de 15 kg. Todos disponíveis nas unidades básicas e hospitais de Aracaju, nos outros municípios foram disponibilizados nas vigilâncias epidemiológicas de cada secretaria municipal e nos hospitais regionais, liberados com critérios clínicos e protocolos, sobre manejo da influenza, e com prescrição médica.

A vigilância da Influenza se dá através de unidades sentinelas que têm por objetivo:

  • Monitorar a circulação dos vírus responsáveis por SG em Sergipe;
  • Prover cepas virais para formulação da vacina da Influenza;
  • Fornecer informação oportuna e de qualidade para o planejamento e adequação do tratamento;
  • Estabelecer medidas de prevenção e controle da SG e SRAG;
  • Monitorar a tendência e sazonalidade das hospitalizações por SRAG;
  • Determinar os tipos de vírus respiratórios responsáveis por SRAG em UTI com alta patogenicidade;

 

 

Nossas unidades sentinelas para Síndrome Gripal são: UPA Fernando Franco, na Zona Sul e HUSE;

Para SRAG – HUSE e São Lucas, pois devem ser unidades hospitalares que têm UTI e seja um público e outro privado. Nessas unidades, para os pacientes que apresentarem sintomas de SRAG, será feita coleta do material nasofaringeo para pesquisa do vírus Influenza. Já nos pacientes com síndrome gripal são coletadas 5 amostras por semana epidemiológica, de preferência a cada dia da semana. Sendo de notificação compulsória só os casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG);

AÇÕES DA SECRETARIA DO ESTADO DE SAÚDE

  • Monitoramento das sentinelas e seus indicadores;
  • Confecção e distribuição de material educativo para os municípios, ajudando nas ações de educação;
  • Capacitação dos profissionais sobre coleta de secreção nasofaringeo dos hospitais regionais;
  • Distribuição e manutenção da medicação para Secretaria Municipal de Saúde de Aracaju e demais municípios;
  • Trabalho em equipe para controle e vigilância da Influenza;

 

OBS: início da vacinação da Influenza em todos os postos do estado, a partir do dia 30 de Abril à 20 de Maio, para àqueles grupos prioritários (criança de 6 meses a menor de 5 anos, gestante puérpera, idoso acima de 60 anos, profissionais de saúde, doentes crônicos e população indígena e privada de liberdade).

 

Assistência – Aracaju, unidades sentinelas,Atenção Básica dos municípios;

Vigilância – SES;

LACEN – Parreiras Horta;

 

Att,

Mariselma Teixeira (área técnica da Influenza).