Lacen: Gestores discutem cronograma de treinamento para profissionais de laboratórios

postado em: Destaque 2, Notícias | 0
A elaboração do plano de educação continuada, a padronização e controle de distribuições de kits para diagnósticos de doenças de notificação compulsória de interesse à saúde pública e a supervisão dos laboratórios públicos e privados conveniados ao Sistema Único de Saúde (SUS). Esses são os principais instrumentos do trabalho desenvolvido pela Rede Laboratorial (Redelab) vinculada ao Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), unidade da Fundação de Saúde Parreiras Horta (FSPH) que integra a Rede Estadual de Saúde.
Na última semana, em reunião com os gestores do laboratório na superintendência da unidade, discutiu um cronograma para atender às solicitações relativas aos treinamentos, destinados aos profissionais nos serviços laboratoriais de média de alta complexidade, realizados pelos 75 municípios Sergipanos.
Para solicitar treinamentos é necessário encaminhar ofício para superintendência do Lacen com informações relacionadas ao agravo que necessita de capacitação profissional. “Quando recebemos o documento, encaminhamos para Redelab, que avalia com o gestor da área técnica, a logística para atender ao pedido do município solicitante”, detalhou a superintende do Laboratório Central de Saúde Pública de Sergipe, Danuza Duarte Costa.
“Nesse momento tratamos sobre as solicitações de capacitações dos profissionais que atuam na identificação de larvas dos vetores Aedes aegypti e Aedes Albopictus, transmissores da dengue e febre amarela”, explicou a gestora da Rede, Silvia Virginia Barreto Cruz ao explicar que através do sistema Gerenciador do Ambiente Laboratorial (GAL) a Redelab realiza o monitoramento das análises.
Presente na reunião, o gerente do laboratório de Entomologia do Lacen, Antônio Fernando Viana, ressaltou que os treinamentos contam com parte teórica e a prática, cuja finalidade é a orientação adequada sobre a utilização do microscópio e leitura de lâminas com larvas. Através dessa metodologia é possível reconhecer as formas imaturas dos vetores transmissores das doenças. “As aulas práticas servem para capacitar os profissionais no trabalho da identificação dos vetores, reconhecer e diferenciar os sintomas das duas doenças e também prepará-los para realizar a leitura de material morfológico das larvas e pulpas transmissoras da dengue e febre amarela”, destacou Fernando.
Distribuição kits
O Lacen Sergipe é responsável pela distribuição dos kits encaminhados pelo Ministério da Saúde (MS), para diagnóstico da Leishmaniose canina e humana, pesquisa do Schistosoma Mansoni, causador da Esquistossomose, além, de meios de cultura e soluções necessários para diagnóstico da Tuberculose, Hanseníase, Meningite, Influenza e surtos provocados por contaminação alimentar.