Huse: máscaras de super-heróis ajudam crianças durante as sessões de radioterapia

postado em: Notícias | 32

 

Por Katiane Menezes

Edição: Acácia Mérici

Fotos: Katiane Menezes

Um grupo de médicos do Centro de Oncologia do Hospital de Urgências de Sergipe (Huse) elaborou uma estratégia especial para transformar o medo das crianças durante os procedimentos médicos em momentos de descontração. Baseado em experiências no exterior, os profissionais transformaram a peça termoplástica do tratamento de radioterapia em máscara de super-herói.

Segundo o médico oncologista Marcos Antônio de Santana, uma máscara de ‘Homem Aranha’, por exemplo, fez com que um garotinho de 5 anos se sentisse ‘forte’ e com ‘super poderes’.

“Diante do sucesso no tratamento de radioterapia, um paciente infantil não necessita mais ser anestesiado durante a sessão. A quantidade de crianças que precisa usar anestesia geral é grande. Para elas, o procedimento diário é traumatizante. Ao ver a máscara, a reação positiva do paciente foi imediata”, comentou o médico.

“O tratamento sem anestesia ocorre entre 7 a 10 minutos. Já com anestesia, chega a 40 minutos. Através dessa ação, poupamos a criança que está fazendo todos os dias, como também aumentamos a produtividade do aparelho. A família ficou muito feliz com a humanização do tratamento e porque o medo e a ansiedade da criança acabaram. Isso é gratificante”, explicou Marcos Antônio de Santana.

A intenção da equipe é expandir a produção com novos personagens para outras crianças que também desejam que suas máscaras sejam personalizadas. Um paciente de 8 anos foi diagnosticado com um tumor cerebral e já concluiu as sessões de radioterapia. Agora, levará a máscara para casa.

“Acabei meu tratamento e estou melhor. Agora serei o Homem Aranha na minha casa, com meus amigos”, disse o garoto, sorridente, ao lado da mãe.

O técnico em radioterapia do Huse, Alexandre Andrade, explica que as máscaras são individuais e que o processo para confecção é simples e rápido. Por ser de material termoplástico, basta aquecer. Assim, ela se transforma em uma borracha elástica para adquirir o formato rígido e se adequar ao tamanho do rosto do paciente que fará o tratamento.

“Adultos e crianças ficam bem preocupados com a questão de respiração. Mostramos o material pronto e explicamos que processo de fabricação é feito com o molde do paciente. Na sessão de radioterapia é essencial que a criança fique imóvel. A máscara é feita para anatomia do paciente, moldada no formato do rosto. Para montar, o paciente fica deitado. Isso permite maior precisão, conformidade e conforto no tratamento”, comentou Alexandre Andrade.