Huse: 780 pacientes foram atendidos no final de semana

postado em: Destaque 2, Notícias | 0

Por Katiane Menezes

Huse recepção visitas - Foto Ricardo Pinho (1)Entre a última sexta-feira, 8, até o domingo,10, o Hospital de Urgências de Sergipe (Huse) atendeu a 780 pacientes, sendo que 158 ficaram internados na unidadeNo Pronto Socorro (PS) Adulto, a Área Azul atendeu 217 pacientes de baixa complexidade. Desse total, 40 ficaram internados, a maioria com dor de cabeça e dor abdominal. 

A Sala de Sutura e a Ortopedia também receberam um número considerado de pacientes durante o final de semana. Foram 306 pacientes atendidos com 69 internações.

Os acidentes automobilísticos resultaram 9 atendimentos. Já os acidentes motociclísticos continuam liderando as estatísticas dos acidentes de trânsito. Foram 59 atendimentos e desses, 22 ficaram internados para a realização de outros procedimentos. O número de pessoas atropeladas chegou a somente nesse final de semana.

A violência urbana já produz vítimas que procuram o Huse para atendimento. Durante o final de semana foram registrados 12 atendimentos a vítimas de arma de fogo e 2vítimas de arma branca. 

Na pediatria, o plantão foi considerado tranquilo com 70 registros. Desses, apenas 27 internamentos.

pequena Ana Beatriz Azevedo, 2, passou o final de semana internada depois de chegar com febre e diarreia. A estudante Ana Carla Azevedo, 23, mãe da pequena, não demorou e levou a filha até a pediatria em busca de tratamento. 

“Fiquei preocupada. Graças a Deus ela já fez os exames e está tudo bem. Aqui é muito tranquilo o atendimento e as profissionais  são bem legais. Essa semana voltaremos para casa”, disse. 

No ambulatório da oncologia, 8 pacientes foram atendidos na radioterapia, 7 procuraram atendimento. Para o oftalmo e o otorrino os atendimentos totalizaram 30.

O Pronto Socorro do Huse recebe pacientes regulados pelo SAMU 192 Sergipe e aqueles que chegam por demanda espontânea na unidade.

As pessoas que chegam até a unidade são avaliadas por uma equipe de enfermagem e tem o risco do caso classificado. Os casos que apresentam maior risco têm o atendimento priorizado. Os que têm menor complexidade e não são regulados são atendidos posteriormente.