Case registra aumento de 13% no número de cadastros em novembro

postado em: Destaque 2, Notícias | 0

Por Morgana Barbosa

 

Com uma média de 700 atendimentos diários, o Centro de Atenção à Saúde de Sergipe (Case) proporciona assistência farmacêutica aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). São contemplados pelo serviço os pacientes portadores de doenças crônicas e que se enquadram nas linhas de cuidado definidas pelo Ministério da Saúde, através do Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas, conforme portaria nº 1554 de 30 de julho de 2013.

 

“Gerido pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), o Case disponibiliza 335 diferentes tipos de medicações. Entre os meses de janeiro e novembro deste ano foram dispensados 205 tipos de medicamentos”, revelou a coordenadora geral do Case, Adriana Menezes.

 

Em maior quantidade são dispensados medicamentos específicos para asma (Formoterol + Budesonida), diabetes (Insulina Glargina), hiperfosfatemia na insuficiência renal crônica (Sevelamer), além de medicamentos direcionados à dislipidemia para a prevenção de eventos cardiovasculares, esquizofrenia e outros.

 

De acordo com a coordenadora geral do Case, Adriana Menezes, atualmente existem 23.200 pacientes cadastrados e ativos no sistema. Os que buscam  mensalmente o serviço para dispensa de medicamentos são 9.200.

 

“Até o momento, apresentamos um crescimento de 13% de cadastros novos mensais  de pacientes em relação aos meses anteriores”, avaliou.

 

O aposentado Airton de Jesus, 65 anos, vive em Aracaju com a esposa Magali Barbosa de Jesus, 61 anos, que, há 10 anos, faz uso de medicações para o controle e tratamento de mal de Parkinson. “Esse serviço é muito importante. Antes de utilizar esses medicamentos, minha esposa não conseguia sequer tomar banho sozinha ou trocar a roupa. Com a realização do tratamento e acesso aos medicamentos, ela já faz tudo isso”, relatou o senhor Airton.

 

Já Auxiliadora da Silva, 42 anos, é de Itabaiana e há dois anos faz uso dos serviços do Case para ter acesso a um medicamento que não teria condições de comprar.

 

“Faço uso do Olanzapina. É um medicamento muito caro, que custa em média R$ 300. Eu não tenho condições de comprar e aqui recebo duas caixas por mês para dar continuidade ao meu tratamento. Esse serviço contribui diretamente para a melhoria da minha qualidade de vida”, destacou Auxiliadora.

 

No Case, o usuário do SUS também conta com serviços como: Serviço de Atendimento Domiciliar (SAD), Serviço de Atendimento ao Preposto (SAP), Serviço de dispensa de OPM (Órtese, Prótese e Meio de Locomoção) e Serviço de Dispensa de Bolsa de Colostomia. Informações pelo telefone (79) 3234-3419 / 3400.