Campanha contra a Hanseníase e as Verminoses será iniciada em agosto

postado em: Destaque 2, Notícias | 0

Por Luiza Sampaio

hanseniaseSergipe se prepara para iniciar mais uma campanha contra a Hanseníase, as Verminoses, a Tracoma e a Esquistossomose, a quarta edição que acontece de forma conjunta para as quatro doenças. Sob a orientação da Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde (SES), os municípios devem iniciar os trabalhos com a Semana de Mobilização, que será realizada entre os dias 22 e 26 de agosto, chamando atenção da população para a importância da detecção e do tratamento precoce dessas doenças. As ações seguirão até o mês de setembro, mas o sistema do Ministério da Saúde estará disponível até o final do ano para as prefeituras.

 

De acordo com a gerente do Núcleo de Doenças Transmissíveis da SES, Mércia Feitosa, as atividades da campanha serão divididas por etapas e terá o apoio das Secretarias Municipais de Educação.

 

No caso das Verminoses, as escolas devem enviar aos pais um documento para que eles autorizem que a criança receba a medicação. “Precisa haver uma articulação entre a Atenção Básica, que será executora das ações, diretores e professores das escolas, além das famílias. A alta infestação de Verminoses causa Anemia, que pode ter como consequência para a criança um déficit de aprendizagem. Por isso, o tratamento é importante”, frisa.

 

Para a Hanseníase, a campanha terá como foco a detecção de novos casos, especialmente em menores de 15 anos. A escola também enviará aos responsáveis uma ficha, chamada de “autoimagem”, onde eles poderão representar numa figura se e onde seus filhos possuem algum tipo de mancha.

 

hanseniase Mércia Feitosa“A criança que tiver indicação será avaliada pelo médico e enfermeiro na Unidade Básica de Saúde. Sendo identificada a doença, ela será tratada”, complementa, lembrando que os familiares dessa criança também serão examinados e tratados, se houver necessidade.

 

Os municípios que têm pessoas habilitadas para fazer o teste para Tracoma também realizarão os exames nas crianças. Sendo encontrado o bacilo causador da infecção, ela será tratada, também na Unidade Básica de Saúde, assim como a família. “No caso da Esquistossomose, a campanha ocorrerá somente nas cidades que têm uma prevalência acima de 25% para a doença. Nessas localidades as escolas receberão as ações, as crianças serão pesquisadas e o tratamento realizado”, informa Mércia Feitosa.

 

Fase preparatória 

 

Na próxima quarta-feira, 20, haverá uma reunião com representantes das Vigilâncias Epidemiológicas de cada município para que as últimas diretrizes sejam passadas. Segundo a gerente do Núcleo de Doenças Transmissíveis, o Estado está na fase preparatória, de entrega da medicação e apresentação dos formulários que as equipes municipais deverão utilizar.

“Sergipe está classificado como alto risco endêmico para Hanseníase, com uma taxa de detecção em menores de 15 anos de 3,10/100.000 habitantes em 2015, uma média de 350 casos novos/ano”, lamenta Mércia Feitosa.

 

Para ela, a campanha ainda não está conseguindo captar essas crianças dentro das escolas, por isso a necessidade de ampliar o olhar dos profissionais de educação e da família para a importância de detectar esses casos precocemente.

 

“Temos o registro de crianças menores de 15 anos com um grau de incapacidade física ou deformidade, o que não ocorreria se a doença fosse detectada e tratada de forma precoce. Por isso, pedimos que todos os profissionais envolvidos na campanha atuem de maneira constante para conscientizar essa população”, conclui.