MNSL apresenta indicadores e instrui gestores da unidade

postado em: Destaque 2, Notícias | 0

Aconteceu nesta sexta-feira, 24, no auditório da Maternidade Nossa Senhora de Lourdes (MNSL), unidade gerenciada pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), aula de orientação e informação, ministrada pela Infectologista pediátrica  e Responsável Técnica do Serviço de Infecção na MNSL, Magaly Medeiros, aos gestores da MNSL,  obre os indicadores da instituição que são utilizados com a finalidade de se compreender as situações existentes, apoiar a tomada de decisão e apontar os caminhos a seguir.

Segundo o superintendente da MNSL, André Nascimento, o colegiado para apresentação dos dados da CCIH, além de enriquecedor por transmitir a situação atual da unidade de saúde, é também uma oportunidade para a construção de planos operativos que possibilitem melhorar ainda mais as ações no intuito de evitar incidência de infecções hospitalares.

Segundo Magaly, o Serviço de Controle da Infecção Hospitalar (CCIH), trabalha em conjunto com todos os setores da maternidade, principalmente na orientação e precaução sobre a forma correta de agir na maternidade. “Fazemos a vigilância diária de todos os pacientes internadas na UTIN. Temos uma ficha de avaliação para justamente fecharmos os dados, e analisar o que realmente influencia na  redução das taxas de infecção”. Informou Magaly.

Planejar

“Os indicadores contribuem para planejar, comunicar, acompanhar, avaliar, comparar e melhorar o desempenho ao longo do tempo. Essa troca de informações com os gestores ajudam a construir medidas eficazes para a melhoria da assistência” explicou a coordenadora da Unidade Neonatal Thereza Azevedo.

  Magaly Medeiros disse que foi informada sobre os dados de infecção, relacionadas à assistência à saúde. Passamos todos os indicadores não só de densidade de infecção na corrente sanguínea, mas de infecção laboratorial, as pneumonias associadas à ventilação mecânica, como outros indicadores”, atentou Magaly.

 Magaly fez referência ao uso de álcool gel na unidade para higienização nas mãos. Ainda o uso de cloroxedina também para higienização das mãos e outros indicadores importantes  “O uso de sabão liquido, papel toalha e álcool gel nas unidades é de extrema importância. Outros dados relevantes, foram também abordados, como os da vigilância epidemiológica como o quantitativo de HIV e sífilis.  Isso é fundamental para saber nossos dados e trabalhar melhor o principal, a redução da infecção das correntes sanguínea na unidade”, ressaltou a médica.

 A infectologista disse ainda que os indicadores são fundamentais para que haja um procedimento correto em cada setor da Instituição. Ela classificou como mais importante  em relação a infecção é o uso racional de antibióticos, porque em relação aos exames, as  culturas que positivas, são direcionadas ao antibiótico adequado para bactéria. E observou também, que é necessário restringir o uso do antibiótico que é visto como um dos disseminadores de infecção nos  bebês.

Pesos e medidas – “Temos uma particularidade, trabalhamos com UTIN  com recém-nascidos de baixo peso , sendo, 750g; de 750g a 1000g; de 1000g a 1500g; de 1500g a 2500g e os maiores de 2500g.  Quanto menor for o peso ,maior é o risco de infecção, ou seja, pela imaturidade do bebê que corre um risco acentuado por estar entubado, em uso de antibióticos e outras situações associadas. Quanto mais prematuro, maior risco de infecção, alertou Magaly.

Atualizado há