Semana Mundial de Amamentação: profissionais do Banco de Leite sensibilizam usuários de posto de saúde

postado em: Notícias | 1

 

Informações sobre o aleitamento materno e a importância da prática para mães e bebês foram transmitidas nesta quarta-feira, 2, aos usuários da Unidade Básica de Saúde (UBS) Edézio Vieira de Melo, localizada no bairro Siqueira Campos. A enfermeira Ana Cristina Vasconcelos e a nutricionista Miriam Duarte, que atuam no Banco de Leite Humano (BLH) Marly Sarney, enfatizaram o apoio a ser dispensado por toda a sociedade às gestantes e puérperas para que mantenham o aleitamento. Orientação essa que é tema da campanha da 25ª Semana Mundial de Amamentação (SMAM), cuja programação está sendo realizada em Sergipe pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Estado da Saúde (SES).

“O leite materno é a primeira vacina do recém nascido que recebe o colostro, primeiro leite produzido após o parto. O alimento possui 250 componentes favoráveis ao desenvolvimento de bebês e, infelizmente, só contempla 37% desse público, segundo a Organização Mundial de Saúde [OMS]. A meta é, até 2025, dispormos de 50% de bebês amamentados com o leite da mãe”, declarou Ana Cristina Vasconcelos.

Mitos e instruções sobre alimentação foram enfatizados durante a palestra, também com base na Norma Brasileira de Comercialização de Alimentos para Lactentes e Crianças de Primeira Infância, Bicos, Chupetas e Mamadeiras (NBCAL). “Frisamos a não recomendação dos bicos, protetores de mamilo, bicos de silicone ou mamadeiras durante a amamentação para que a adesão do bebê à mama aconteça naturalmente. Assim, evitamos o surgimento futuro de problemas ortodônticos e fonoaudiológicos associados ao uso de mamadeiras. Paralelo a essa conscientização, reforçamos o papel da família, dos governos e da sociedade de forma geral no auxílio dado a essas mães que precisam dispor de condições apropriadas para amamentar”, ressaltou a nutricionista Miriam Duarte que também atua no ambulatório Follow-UP da Maternidade Nossa Senhora de Lourdes (MNSL).

Experiências

Mãe do segundo filho, a dona de casa Deisielle de Jesus Santos, 22 anos, foi uma das usuárias da UBS que se mantive atenta à palestra, juntamente com a acompanhante. “A amamentação é uma prática muito importante, que eu pretendo manter até que Yasmin, que nasceu há dois meses, deseje. Felizmente, não enfrentei dificuldades para amamentar em nenhuma das duas gestações e percebi que a prática faz com que o bebê se desenvolva bem e adoeça menos”, declarou a cidadã.

Também dona de casa, Karine Silva de Machado, de 23 anos, afirma que gostaria de ter amamentado por mais tempo o seu primeiro filho, porém um dos bons aspectos da segunda gestação tem sido a disponibilidade para amamentar o pequeno Abimael, nascido há apenas 10 meses. “Até o sexto mês meu segundo filho só recebeu leite materno. Já o primeiro bebê foi amamentado por apenas dois meses. Posso declarar que a prática da amamentação é muito boa, por isso incentivo outras mães a fazerem o mesmo”, afirmou a jovem mãe.

Ainda nesta quarta-feira, 2, às 15h30, haverá no auditório da MNSL um círculo de conversa sobre amamentação e benefícios adquiridos pela mãe e pelo bebê durante o processo, tendo como referência relatos compartilhados pelo Grupo de Apoio às Mães da Unidade Neonatal da MNSL, o Gamu. O grupo, que promove encontros semanais de incentivo e acompanhamento às mães, é composto por uma equipe multidisciplinar que atua na própria unidade de saúde, sendo esse formado por enfermeiros, médica, psicóloga, fisioterapeuta, assistente social, entre outros profissionais.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.